plantas-daninhas
Produção Rural

Plantas Daninhas: O Que são, as Principais e Quais os Métodos de Controle?

A presença de plantas daninhas prejudica toda a produção. Isso porque elas competem com as plantações por água, luz, nutrientes e espaço, além de fazerem o produtor gastar tempo e dinheiro no seu controle.

Conhecer as plantas daninhas é o primeiro passo para identificá-las precocemente e começar o controle o quanto antes, evitando que se disseminem. 

Neste post, você confere um pequeno guia com as principais plantas daninhas do Brasil e conhece os principais métodos de controle de cada uma. 

Boa leitura!

Leia também:

Contabilidade Rural: O Que É, Importância + 5 Dicas para Adotar!
Indicadores Agrícolas: O Que São, Importância e Quais os Tipos?
Gestão de Fazendas: O Que É, Importância E Porque Usar Tecnologia?

O Que São Plantas Daninhas?

o-que-sao-plantas-daninhas

O conceito de plantas daninhas se baseia na indesejabilidade do seu crescimento em relação a uma atividade humana. Sendo assim, uma planta só pode ser considerada daninha se estiver prejudicando determinada atividade humana.

É por isso que chamamos de plantas daninhas aquelas que atrapalham o desenvolvimento de culturas comerciais de soja, milho, café, cana-de-açúcar, entre outras – e também em pastagens.

As plantas daninhas competem com as plantas cultivadas por água, nutrientes e luz. Além disso, elas muitas vezes servem como hospedeiras para pragas, doenças e nematóides, o que prejudica a qualidade e aumenta o custo de produção.

Uma característica das plantas daninhas é que elas são consideradas plantas pioneiras. Isso quer dizer que, quando um ambiente é alterado, elas são as primeiras a germinar. Esse fato, junto com a sua alta capacidade de infestação, são dois fatores que dificultam o seu manejo.

Principais Plantas Daninhas do Brasil

O Brasil é um dos principais produtores agrícolas do mundo. No entanto, os mesmos fatores que favorecem a produção, favorece também o crescimento de plantas daninhas.

Confira, a seguir, uma lista com as mais comuns no país e saiba mais sobre cada uma delas!

Apaga Fogo (Alternanthera Ficoidea)

Essa planta daninha tem esse apelido por dificultar a progressão do fogo quando são feitas queimadas para renovação de pastagens. Ela é uma planta que pode ser anual ou perene, a depender das condições.

A planta apaga fogo pode ter de 0,5 a 1,2m de comprimento, é mais frequente na região central do Brasil e se alastra por enraizamento dos nós em contato com o solo.

As principais culturas afetadas são cana-de-açúcar, milho, soja, arroz e algodão.

Caruru (Amaranthus Viridis)

Essa planta daninha se desenvolve em ambientes de maior sombreamento e solos férteis. A sua propagação acontece apenas por sementes e ela pode ter entre 30 e 50cm de comprimento.

A planta caruru afeta principalmente lavouras perenes, como cafezais, canaviais e pomares, e de desenvolve bem da primavera ao outono.

Buva (Conyza spp.)

Existem 3 espécies de buva no Brasil: Conyza bonariensis, Conyza canadensis e Conyza sumatrensis.

A Conyza bonariensis e Conyza canadensis são as mais comuns. Ambas são anuais, herbáceas e têm caules folhosos. As principais culturas que afetam são soja, feijão, cana de açúcar, algodão, arroz e pastagens.

A sua propagação é feita por sementes que são facilmente dispersadas pelo vento.

Tiririca (Cyperus Haspan)

A tiririca é uma planta daninha muito comum no Brasil, presente em quase todos os tipos de solos e culturas – com exceção do arroz inundado. A sua origem é indiana e ela está presente em mais de 90 países.

Ela tem crescimento em baixas temperaturas e é bastante sensível à sombra. Além de competir com as culturas por nutrientes, espaço, luz e água, a tiririca tem efeito inibidor, principalmente em plantas de cana de açúcar.

Corda de Viola (Ipomoea Acuminata)

A corda de viola é uma das plantas daninhas mais prejudiciais em culturas anuais e perenes. Ela aparece, principalmente, nas regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste, em lavouras de cereais. Além de competir por espaço e nutrientes, ela dificulta a colheita mecânica e umedece os grãos.

Além das culturas de cereais, ela também acomete plantações de cana de açúcar e pastagens.

A corda de viola é uma trepadeira nativa da América do Sul, que pode ter de um a dois metros de comprimento. Além das folhas, ela também dá flores.

Guanxuma (Sida Glaziovii)

A guanxuma também é uma planta frequente em diversas culturas anuais, como pomares, eucalipto, cana de açúcar e café, além de aparecer também em terrenos baldios e cultivo de cereais.

Ela tem de 30 a 80 cm de altura e se propaga por meio de sementes.

Quais os Métodos de Controle de Plantas Daninhas?

metodos-de-controle-plantas-daninhas

Existem diversos métodos de manejo de plantas daninhas. A sua escolha vai depender do tipo de exploração agrícola, das espécies indesejadas, relevo e disponibilidade de mão de obra e equipamentos.

Controle Preventivo

A prevenção é a melhor estratégia para controlar plantas daninhas. O seu objetivo é evitar o estabelecimento e disseminação dessas espécies em áreas ainda não infestadas. 

Algumas medidas preventivas que podem ser tomadas são a limpeza cuidadosa de máquinas e implementos, o uso exclusivo de sementes fiscalizadas ou certificadas, o uso de adubos orgânicos e a limpeza dos canais de irrigação.

Também é importante manter a área da cultura livre da circulação de animais. No caso de animais adquiridos para a propriedade, eles devem ser mantidos em quarentena por algum período após a sua chegada.

Controle Cultural

O controle cultural envolve o uso de boas práticas agrícolas com foco no fortalecimento da cultura, em detrimento das plantas daninhas. Algumas dessas práticas são a rotação de culturas, variação do espaçamento e população de plantas e cobertura verde.

Dessas opções, a rotação de culturas é uma das práticas mais positivas. Ela proporciona a diversificação do ambiente e reduz a seleção das espécies, o que diminui a ocorrência de plantas daninhas.

Quando viável, a integração lavoura-pecuária também é uma prática muito eficiente.

Controle Mecânico

Os métodos de controle mecânico são aqueles que envolvem o arranquio e a capina manual, além da roçada e do cultivo mecanizado.

O arranquio manual, por não demandar o uso de nenhuma ferramenta, é o método de controle de plantas daninhas mais antigo. Já a capina manual utiliza ferramentas como enxadas. 

Ambas são eficientes em áreas pequenas.

Já a roçada manual ou mecânica é mais indicada para culturas com espaçamentos maiores.

Controle Físico

Já o controle físico consiste na utilização de métodos como cobertura morta e solarização. Conheça os principais:

  • cobertura morta: manutenção dos restos culturais sobre a superfície do solo, formando uma barreira física;
  • solarização: é a utilização de coberturas plásticas para aumentar a temperatura do solo;
  • inundação: impede que as raízes das plantas sensíveis obtenham oxigênio;
  • micro-ondas: o uso de radiação eletromagnética pode ocasionar efeitos tóxicos seletivos a plantas e sementes.

Controle Biológico

Faz parte do controle biológico de plantas daninhas a utilização de parasitas, predadores ou patógenos capazes de reduzir a sua popularização. 

O objetivo desse tipo de manejo, no entanto, não é erradicar, mas sim diminuir a população daninha para baixo do nível de dano econômico. 

Economize Tempo no Controle de Sua Propriedade Adotando um Software de Gestão Agrícola

Um software de gestão agrícola ajuda você, produtor rural, a controlar toda a operação da sua propriedade de onde estiver – usando apenas um computador ou smartphone. 

O software EasyFarm permite que você controle estoque, defensivos agrícolas, sementes e todas as operações envolvidas na produção.

Além disso, a EasyFarm também ajuda na organização de toda a parte financeira e contábil da sua fazenda.
Faça um teste grátis do nosso sistema por 7 dias e economize tempo no controle da sua propriedade!

Continue lendo…

Gestão Estratégica: O Que É e Como Adotar na Propriedade?
O Que É ATR da Cana e Como a Gestão Agrícola Pode Melhorá-lo?
Isoporização da Cana: O Que É e Como Impacta na Produtividade?

Raphael Ivan

Programador apaixonado e entusiasta do Agronegócio, fundador e CEO da easyfarm. Sonha em voltar a produzir café, principalmente para sustentar seu vício pela bebida.

Você também pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *